13 de novembro de 2013


Operação "Final de Ano Mais Simples" - Parte II: a saga dos presentes

Via Pinterest
Conforme eu havia prometido, dou sequência à operação Final de Ano Mais Simples. Escrevo hoje sobre um dos itens mais estressantes e dispendiosos desta temporada: os presentes. Independentemente se a pessoa comemora o Natal ou não, o fim do ano sempre demanda gastos extras em lembranças, seja para os formandos da época, amigos, parentes ou outras pessoas que te acompanharam ao longo do ano. Isso sem falar no Natal propriamente, nos aniversários e eventos do trabalho. 

Este é, para mim, um dos grandes geradores do tormento de dezembro. Atrapalha as finanças, desvia o foco do nosso bem-estar, estimula idas aos shoppings/supermercados lotadíssimos, absorve um tempo precioso, além de entupir a casa de bugigangas. Ficamos irritados. Tudo isso com o propósito de agradar os outros, o que algumas vezes se transforma em uma grande frustração, quando o presenteado não aprecia o regalo.

Antes de qualquer conclusão, vou me adiantando: não sou contra presentear as pessoas queridas ou tão egoísta a ponto de gastar tudo apenas comigo. Acredito que a felicidade está tanto ou mais em quem oferece o presente. Meu ranço é com o consumo desenfreado e impulsivo, como forma de suprir frustrações da vida que escolhemos ter. Me incomodam as promoções que nos fazem de idiota, e como esta época está repleta disso! Me afeta profundamente essa mania de ter, ter e ter. Preciso comentar também sobre aquela incomodação que é a troca dos presentes no dia 26 de dezembro?

Como fugir disso é praticamente impossível, minha sugestão é planejamento. Pode parecer óbvio, não temos o hábito de planejar. Te organizar desde já ajuda muito, tanto na questão financeira quanto no aproveitamento inteligente do tempo. A certeza de ter feito a escolha certa virá quando vermos todo mundo louco, correndo desesperadamente para fazer compras, enquanto aproveitamos os finais de tarde de dezembro para fazer o que mais gostamos. Recomendo.
Via Pinterest
Além do planejamento, não podemos nunca nos esquecer daquele conceito-chave do post anterior: a simplicidade é o caminho! Existem, sim, outras formas de presentear e demonstrar o sentimento sem que seja com mais tralha cara! Acredito que o melhor caminho para nos sentirmos mais felizes, gastarmos menos, curtimos mais o tempo livre e reduzirmos o consumo sem sentido está no poder da criação, ou seja, nos projetos DIY (faça-você-mesmo). Não entendam como ponto-cruz, bonecas de garrafa PET ou algo do gênero. Há um universo infinito de presentes que podemos realizar com criatividade, presentes nada caros, mas com muito valor. É maravilhoso para quem cria, e a pessoa que recebe se sente mais especial. Algumas ideias pra vocês:
Via Pinterest
Via Pinterest
Tu não precisa necessariamente criar os produtos, mas reuni-los de um jeito criativo numa embalagem especial já é um grande passo. A moda agora não são os tais "combos"? Então cria um combo único para quem tu quer fazer feliz! Uma ideia são as cestas repletas de guloseimas ou produtos bem do gosto do presenteado. Pode ser um kit com itens para um café-da-manhã especial, ou com produtos naturais, ou queijos e vinhos. As combinações são infinitas e os alimentos podem ser adquiridos no mercado da cidade, numa feira, em empórios ou confeitarias. Não vale comprar aquelas cestas já montadas! A proposta é pensar na pessoa que irá receber e no que ela mais aprecia. Ah, pode ser uma cesta cultural também, com um livro, um DVD, ingressos para o cinema, um vinho e outras coisas que a pessoa curte. Ou um "combo zen", com uns chás bacanas, aromas para casa. Gosto muito também de dar voucher de restaurantes especiais. Alguns estabelecimentos têm valores determinados. Em outros, tu monta um jantar ao gosto dos sortudos e dá o cheque-presente. Essa sugestão é infalível! Bem, eu poderia ficar horas aqui sugerindo outras ideias, mas acho que já deu para entender a proposta, né?

Geralmente, presentes "de comer" fazem muito sucesso. Além dos clássicos cupcakes e biscoitos decorados, tu pode fazer trufas em casa, pastas para petiscos, compotas e outras especiarias. O livro Presentes Deliciosos (Jess McCloskey, ed. Marco Zero) é um tesouro. Tem muitas dicas legais com as receitas, além de ensinar a criar as embalagens. Para quem gosta da cozinha, é uma sugestão imperdível. No ano passado, presenteei os familiares com massa feita em casa, como esta sugestão da Martha Stewart:
Via Martha Stewart
Outro caminho para desafogar dezembro é para quem tem alguma viagem programada para as próximas semanas. Tirando os artigos perecíveis, é uma excelente oportunidade para adquirir lembranças diferenciadas, às vezes com um preço razoável e com uma boa antecedência. Eles vão ficar um tempinho guardados no armário, mas vão aliviar demais a correria no futuro. 

Por fim, deixo a sugestão de explorarem mais os mercados, armazéns e lojas de rua da tua cidade. Lojas de bairro costumam vender tesouros, objetos originais, especialidades. Além de nos estimularem a dar um passeio ao ar livre. E não esqueçam do detalhe do cartãozinho!
Via Pinterest

5 de novembro de 2013


Operação "Final de Ano Mais Simples" - Parte I

Via Tiny White Daisies
Tem muita gente que não gosta desta época do ano que está chegando. Lá pela metade de setembro, quando as lojas mais precipitadas penduram os primeiros enfeites de Natal, o povo começa a se arrepiar: já é final de ano. E aí começa o estresse. Os motivos vão desde a sensação de volatilidade do tempo até a angústia dos prazos estrangulados. Por outro lado, o cansaço só piora quando lembramos de todos os eventos que deixaram de acontecer durante todo o ano e que se aglomeram num único mês; das compras e gastos que vão gerar um rombo no orçamento; da organização das festas e férias; daquela lista de pendências da casa que só foi crescendo. Pensando assim, é realmente muita coisa e a irritação é inevitável. Sobre as questões mais filosóficas, prefiro não me arriscar a dar pitacos. O que posso dizer é que acredito que existam meios alternativos de minimizar essa angústia e cansaço, e que essa época não precisa necessariamente ser assim ano após ano. 

Eu já me incomodei demais, gastei demais e briguei até. Sim, já cometi a besteira de fazer compras de Natal no dia 22 de dezembro, justamente no aniversário de um ano de namoro, e quase terminamos ali mesmo, diante da Renner! Já participei de muito amigo-secreto, gastei em presentes mais caros que o valor determinado e só ganhei tralha. Gastei muito com os outros e deixei de me presentear com algo especial. Xinguei no estacionamento do supermercado, quase na véspera do Natal, porque não tinha mais vaga. Reproduzi todo esse cenário horrível, com a desculpa de organizar uma festa harmoniosa em família! Quanto bom senso! Que coerência! Mas, felizmente, chegou o dia em que a ficha caiu e escolhi encarar o final de ano de um jeito mais simples e sincero comigo mesma. Desde então, optei por ficar com a parte boa dessa época (sim, é uma questão de escolha!) e curto bastante o que novembro e dezembro proporcionam. Essa é uma fórmula pessoal, claro, mas que compartilho na expectativa de que ela sirva, pelo menos, para instigar uma reflexão de como encarar essa fase de um jeito diferente. 

Para ficar mais objetivo, dividirei a minha reflexão por assunto. A cada semana, prometo trazer as minhas dicas pra tu chegar nas festas de final de ano animado e mais relax. Começo, então, pelo conceito-chave dessa função tudo: simplicidade. Já disse isso aqui e repito: comemoração em família/amigos com superprodução é cafona. Chega da história que, a cada ano, temos que comprar um look especial de Natal ou Réveillon, com brilhos e paetês, como as revistas femininas tentam nos convencer. Penteado e maquiagem de festa? Salto agulha? No way! Natal a gente passa com quem é próximo, na nossa casa ou numa residência conhecida, então o dress code é muito simples: a roupa certa é aquela que te deixa alegre, leve e à vontade. A dica vale especialmente para a anfitriã. O mesmo princípio serve para a organização das festas, os presentes, o cardápio. A senha é eliminar o supérfluo para ficar com o que realmente vale. Se a simplicidade, a autenticidade e o carinho conduzirem o teu pensamento, tenho certeza de que esse período será muito mais agradável e, na hora do merecido descanso, tu não vai estar no desgaste total. 

Seguindo o raciocínio, outra atitude que considero essencial é a realização de uma triagem nos compromissos típicos da época, nos colocando, pelo menos agora, em primeiro lugar. Vamos deixar, nem que seja nessa reta final, de agradar a todos e esquecer da gente. Já passamos um ano inteiro tentando agradar, nos afirmar diante dos outros, ser amigos e, com isso, ingerimos muitos sapos. Vejam que não estou dizendo para perder a gentileza, mas para te destralhar daqueles eventos chatos, das pessoas que tu teve que aturar o ano todo e dos códigos de etiqueta só para ser simpático. Eu, por exemplo, não gosto de amigo-secreto. Acho fake e "atulhante". Depois de muita luta, eliminei TODOS da minha vida e já avisei os amigos e familiares. Formaturas? Só vou na recepção e só de pessoas muito especiais. A cerimônia de colação de grau é para os familiares mais próximos do formando. É um momento deles. Festinhas de final de ano? Só participo daquelas em que as pessoas são mais importantes para mim, assim me sobra mais tempo para curtir quem realmente me importa. Pode soar antipático da minha parte, mas essas atitudes permitiram que eu qualificasse mais o meu tempo livre justamente quando mais preciso dele. A energia que gastaria tentando ser querida com todos eu consigo canalizar para o que realmente é valioso para mim.  Simples assim.
Via Tiny White Daisies

1 de novembro de 2013


Passarinhos furiosos, cupcakes e novidades

Já que me ausentei na semana passada, retorno mais uma vez, só que mais rapidinho e já em clima de final de semana. É justamente sobre um dos motivos dessa minha falta que escrevo hoje. Aqueles com filhos pequenos, afilhados, sobrinhos me entenderão. Diante do pedido do meu afilhado para fazer os cupcakes da sua tão sonhada festa de aniversário, não tive outra opção se não me jogar de cabeça na missão. Cansaço, organização da casa e horas livres ficaram para trás. Confesso que amei o pedido e que não foi sacrifício nenhum. O próprio aniversariante - com a curiosidade insaciável dos 6 anos - ajudou a decorar os bolinhos da festa. 

Modéstia à parte, os cupcakes foram um sucesso. O resultado foi tão positivo, que gostaria de compartilhar com vocês a brincadeira que foi uma delícia. O tema da festa: Angry Birds, os passarinhos brabos dos jogos em iPhone e iPad. Um tema, aliás, bastante sugestivo para um aniversariante que se chama Ícaro!

Só que o que era para ser apenas uma brincadeira se tornou algo mais sério. A repercussão dos cupcakes foi tanta, que recebemos pedidos de encomenda e estamos estudando com muito carinho essa possibilidade!!! Muito em breve, vai ter novidade do Chá com Ideias por aqui. Novidades fofinhas, com muito doce de leite e confeito colorido! :D