14 de janeiro de 2014


Um falso bem-casado e um amor




Para abrir os trabalhos de 2014, após um curto período de descanso, pensei em trazer uma reflexão sobre planos, promessas e futuro. O assunto é importante, mas muito já foi escrito sobre isso por aí e com muito mais propriedade. Decidi por abrir o ano compartilhando uma receita que tem muita história e significado para mim: os meus pseudo bem-casados! A receita dá um certo trabalhinho, mas o sabor e a reação de quem experimenta são incríveis. É o melhor bem-casado (que não é exatamente um bem-casado) do mundo!

Antes da história, justifico o porquê do prefixo "pseudo", a fim de não criar falsas expectativas. A receita original trazia o nome de bem-casado. Eu, que era criança na época, não havia comparecido a festas de casamento e, portanto, desconhecia o bem-casado original, formado por dois pequenos discos de pão-de-ló com recheio de doce de ovos e calda de açúcar. Acabei consagrando na família a nomenclatura equivocada para designar, na verdade, um alfajor. De origem espanhola, apesar da fama ser creditada aos argentinos, o doce é feito com duas bolachinhas amanteigadas recheadas com doce de leite e cobertas (ou não) com chocolate. Pela força da tradição, seguirei tratando com o termo errado, mas, pelo menos, deixo o registro da diferença entre os doces. 

A receita eu recortei da mais-que-clássica caixinha de Maizena, lá pelos idos de 1995! Me lembro de ter achado a foto do bem-casado bem atraente e segui os passos. Os doces sempre foram apreciados, mas nunca havia imaginado que eu criaria um louco por bem-casados em casa! Como eu disse, é um pouco trabalhoso, mas o doce se desmanchando na boca e o amor recompensam.  

Aí vai a receita. Nunca testei, mas deve ficar maravilhoso dar um banho de chocolate neles, não?

(pseudo) Bem-Casados

Ingredientes:

200g de manteiga sem sal, em temperatura ambiente
1/2 xícara de açúcar
3 gemas
1 colher (sopa) de conhaque ou rum
1 colher (sopa) de raspas de limão
1 colher (chá) de essência de baunilha
2 1/2 xícaras de maisena
1 1/2 xícara de farinha de trigo
1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento em pó
doce de leite e coco ralado para o recheio

Bater bem a manteiga com o açúcar. Juntar as gemas, o conhaque, a essência de baunilha e as raspas de limão. Acrescentar, aos poucos, os ingredientes secos peneirados. Misturar bem até obter uma masse leve e uniforme. Deixar a massa descansar por 30 minutos na geladeira. Abrir a massa sobre uma superfície enfarinhada, com uns 0,6cm de espessura. Cortar a massa em discos. Colocar delicadamente os biscoitos em uma assadeira (não é necessário untar) e levar ao forno pré-aquecido a 170ºC por 20 minutos aproximadamente. Depois de frios, rechear com doce de leite e decorar as laterais com coco ralado. 
P.S.1: Não abre a massa com uma espessura muito fina. Esta massa não cresce muito. Além disso, como são bem amanteigados, quanto mais fino o biscoito, mais fácil eles se quebram. 


P.S.2: Na receita original, iam 250g de manteiga. Acho que é uma quantidade muito grande. Eles acabam ficando amanteigados demais e se quebram muito fácil, como nessa foto abaixo. Fica difícil rechear. Mas o povo ama igual, mesmo quebradinho!

P.S.3: Eu prefiro cortar os biscoitos num diâmetro menor. Assim ficam mais delicados, mas isso fica a critério de cada um.